Followers

terça-feira, 13 de março de 2012

Deus segundo Spinoza de Baruch (que deus?)

Recebi um e-mail recentemente, que parece ser mais um daqueles repassados viralmente, contendo uma definição de Deus segundo o filósofo e teólogo Benito de Espinoza (Baruch de Spinoza).
A quantidade de mentiras, distorções e absurdos que ele apresentava por linha eram tão grandes que eu sequer terminei de ler. Mas me foi solicitado que fizesse uma análise mais detalhada de seu conteúdo, visto que muitas pessoas (inclusive cristãos) acharam aquelas palavras muito verdadeiras e valiosas. Bom, vamos lá.



Primeiramente, aqui vai o link para o texto original



"Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao pai senão por mim" Jo 14:6
Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
João 14:6Eu
Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
João 14:6
Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
João 14:6




A seguir, a análise:


Antes de destrinchar o texto em si é necessário um retrocesso breve para entender quem foi Benedito Espinoza (Baruch Espinoza) e de onde vieram todas essas ideias que aparentemente são muito bonitas; mas que contradizem e destróem completamente qualquer base do cristianismo se forem analisadas devidamente.

Em primeiro lugar, Spinoza nasceu em Amsterdã no seio de uma família judaica, que fugiu da inquisição portuguesa. Foi um estudioso da Bíblia, do Talmude e de obras de outros judeus, bem como de filósofos clássicos gregos e tinha interesse em assuntos como metafísica, teologia e lógica.
A grande questão é que Spinoza era um racionalista ferrenho. Acreditava que a pura dedução lógica bastava para atingir a compreensão de questões metafísicas e espirituais. É desnecessário dizer que a experiência que transcende os sentidos é a maior base de qualquer doutrina espiritual ou religião.

A tentativa de enxergar a Deus dentro do mundo físico invalida a essência primordial das escrituras sagradas e de qualquer base da fé cristã. É a partir dessa visão imanente que foi fundada aqui no Brasil a Teologia da Libertação; maior responsável pela secularização da Igreja Católica e da transformação da fé numa questão social, num meio para atingir favores e alegrias em vida. Esse pensamento foi introduzido aqui em meados das décadas de 60 e 70, quando o regime militar expulsou os comunistas do cenário político e os colocou dentro das universidades. A partir de então, toda a geração seguinte ( e as subsequentes) foram doutrinadas pela teoria Marxista e da Escola de Frankfurt, que como se sabe, tem como maior inimigo, o Cristianismo, os valores tradicionais, e a família.

Desde então a classe falante do país, embora sendo minoritária, passou a ocupar os veículos de mídia e a iniciaram a propagação de ideias que degradam a família e desvirtuam a base da fé cristã. Ideias que foram espalhadas até chegarmos no ponto em que estamos hoje. Não existem mais bases ou referências, tudo é relativizado, tudo é permitido, desde que traga algum prazer ou satisfação.

Não há pecado, não há nada após a morte; se Deus está em nós, tudo é permitido, desde que nossa consciência (previamente contaminada) nos oriente.
E clichês completamente distorcidos e vazios em si como: "siga seu coração" ou "você tem o direito de ser feliz" e "vale tudo para atingir a felicidade" começaram a intoxicar a consciência popular, a ponto de tornar a busca constante por entendimento e aprimoramento em simples ações isoladas no sentido de procurar em coisas terrenas alívio para o vazio que todos possuem. A maior prova disso é que atualmente se vê um fenômeno nunca antes visto na história da humanidade que é o de termos muitas crianças deprimidas. Elas são jogadas tão cedo numa série de experiências prazerosas, que já, desde cedo, entram na frustração de que o prazer não preenche o vazio ou responde a propósitos maiores da vida.

Resumindo: quanto mais prazer se procura, mais desgosto e vazio é encontrado.
Nas palavras de Benjamin Franklin: "Se um homem pudesse ter metade dos seus desejos realizados, teria mais aflições do que prazeres"

E pra finalizar o nosso retorno à história:
O filósofo holandês Baruch de Espinosa foi excomungado pela primeira vez na noite de 27 de julho de 1656. Os rabinos da comunidade judia de Amsterdã se reuniram em assembléia e, enquanto uma trompa se pôs a arrastar uma nota agônica, começou a ser lida a sentença de excomunhão do pensador: "Com o julgamento dos anjos e a sentença dos santos, anatematizamos, execramos, amaldiçoamos e expulsamos Baruch de Espinosa, estando de acordo toda a sagrada comunidade, reunida diante dos livros sagrados".
As luzes iam-se apagando, uma a uma, simbolizando Deus que se afastava, e todas as maldições do Antigo Testamento foram recaindo sobre ele, com o peso milenar das profecias: "Que ele seja execrado durante o dia e execrado à noite; seja execrado ao deitar-se e execrado ao levantar-se; execrado ao sair e execrado ao entrar. Que o Senhor nunca mais o perdoe ou aceite; que a ira e o desfavor do Senhor, de agora em diante, recaiam sobre esse homem, carreguem-no com todas as maldições escritas no Livro do Senhor e apaguem seu nome de sob o firmamento".



Agora sim, vamos ao texto; por partes:



Pára de ficar rezando e batendo no peito!


Logo de cara ele já começa fazendo uma associação mal intencionada de que rezar está relacionado a ser orgulhoso, bater no peito. Ora, qual é a postura universal da oração? É justamente a de humildade, pequenez e reverência, se ajoelhar.

Aquele que reza, ora; está buscando a Deus, reconhecendo que precisa Dele para viver, que não é auto-suficiente. Quebrar essa atitude é o primeiro e gigantesco passo para afastar alguém da comunhão e do relacionamento com Deus.

"E, acabando Salomão de orar; desceu fogo do céu e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do Senhor encheu a sua casa"

"se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra." II Cr. 7

"Não sejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças" Fp 4:6

"Eu amo aos que me amam, e os que de madrugada me buscam me acharão"
Pv. 8:17


O que Eu quero que faças é que saias pelo mundo
e desfrutes de tua vida.


Sim, Deus quer que desfrutemos da vida; mas existem maneiras e maneiras de se fazer isso. Dizer algo tão subjetivo e solto assim pode dar margem a interpretações equivocadas e descabidas, como se o fato de que "aproveitar" a vida esteja fora de qualquer maneira ou limite; o que obviamente não é verdade.

"Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-me;
porque aquele que quiser salvar a sua vida perdê-la-á e quem perder a sua vida por amor a mim achá-la-á." Mt. 16:25

"Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai." Fp 4:8


Eu quero que gozes, cantes, que te divirtas e que desfrutes
de tudo o
que Eu fiz para ti.


Novamente a insinuação falaciosa de que tudo que há no mundo foi feito por Deus, e por isso deve ser usado e aproveitado ao extremo (hedonismo).
Lendo gênesis em poucos instantes fica claro que após o pecado original o homem foi tirado do Éden e lançado ao mundo que era cheio de imperfeições (que foram nele introduzidas pelo pecado do homem, não pela vontade original de Deus), e que a vida aqui seria difícil, quase que como um castigo e necessitaria da busca de redenção, para que mais uma vez o homem se ligue a Deus. Portanto é totalmente descabido dizer que tudo o que há no mundo é pra ser experimentado e de qualquer forma.

"... antes, andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.
Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo." Ef 2:3-4

“Foge, também, dos desejos da mocidade; e segue a justiça, a fé, a caridade e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor” 2 Tm 2:22

"Ora, amados, pois que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus" 2Co 7:1


Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa. Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas praias. Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti.


"A fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus" Rm 10:17

É impossível se manter fiel a Deus e praticante da Palavra estando sozinho. A glória e a grandeza do Senhor podem realmente ser percebidas e manifestas através da beleza da natureza. Mas não se tem intimidade com o criador de algo apenas conhecendo suas criaturas.
Uma coisa é contemplar a criação, outra é ter contato e intimidade com quem as criou; e isso só vem pela busca direta, pelo ouvir costante de sua palavra, e pela comunhão com outros que tem o mesmo propósito em suas vidas.
Uma brasa acesa que cai fora da fogueira pode até brilhar por alguns instantes; mas ao longo do tempo irá inevitavelmente se esfriar e se apagar.

“Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.” Hs 10:24-25

“Exaltem-no na congregação do povo, e louvemno na assembléia dos anciãos!” Sl 107:32

“Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor.”
Ef 4:15-16.


Pára de me culpar da tua vida miserável: Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador, ou que tua sexualidade fosse algo mau.

Esse foi de longe o maior absurdo do texto até o momento. Dizer que o homem não pecou é algo tão contraditório com a essência do cristianismo que essa afirmação sozinha poderia invalidar todo o sentido da fé e da relação de Deus com o homem. É uma questão de lógica básica.
Ora, se o homem não pecou, não precisa de Deus; não há o que buscar ou o que reparar; não há quebra nenhuma na relação original da criatura com o criador. Se isso fosse verdade estaríamos todos vivendo no Éden (ou no paraíso) até hoje. E se esse mundo for a ideia que Spinoza tem do paraíso, eu diria que ele tem sérios problemas cognitivos.

"Porque todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus" Rm 3:23

"pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos" Rm 5:19

"Na verdade, não há homem justo sobre a terra, que faça o bem e nunca peque" Ec 7:20

"Ide, pois, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifícios. Porque eu não vim chamar justos, mas pecadores." Mt 9:13

"Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.
Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós." 1Jo 1:8-10

O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar teu amor, teu êxtase, tua alegria. Assim, não me culpes por tudo o que te fizeram crer.

É verdade que o sexo é um presente de Deus e que ele expressa coisas como alegria, êxtase e o amor. Mas como tudo na vida, tem um momento e uma maneira de ser manifestado; há um contexto para a prática sexual.
Como tudo na vida; uma coisa boa feita da maneira e no momento errado, pode se tornar uma coisa ruim.
Soa meio ilógico que algo tão bom seja atualmente a fonte de tantos problemas, doenças e traumas, não? Não seria esse um indício claro de que o sexo atualmente está sendo utilizado da maneira errada, com os propósitos errados? Para mim isso é bem evidente.
Não cabe aqui ficar discutindo algo que daria assunto pra uma palestra ou um livro; mas o fato é que o sexo foi feito como expressão de um sentimento e um elo físico para representar um elo espiritual que é exteriorizado culturalmente como uma cerimônia formal.
O fato de duas pessoas concordarem em assumir um compromisso sincero de apoio mútuo e construção de uma vida juntos é o pressuposto basilar para que las se unam espiritualmente e posteriormente, fisicamente. O sexo é a manifestação da ideia subjetiva do casamento entre duas pessoas; a união de duas carnes. E quando elas se unem, se tornam uma. No contexto cristão essa ideia é bem clara, e é logicamente impossível que alguém que tenha se tornado um com outra pessoa, venha a se tornar um com uma terceira. É uma ideia objetivamente impossível
. Daí vem o embasamento bíblico:

"Não adulterarás" Ex 20:14

"Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela" Mt 5:28

"Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei pois os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz? De modo nenhum.
Ou não sabeis que o que se une à meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque, como foi dito, os dois serão uma só carne. Mas, o que se une ao Senhor é um só espírito com ele.
Fugi da prostituição. Toco pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo." 1Co 6:15-18

"Porque esta é a vontade de Deus, a saber, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição, que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santidade e honra, não na paixão da concupiscência, como os gentios que não conhecem a Deus" 1Ts 4:3-5

"Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará." 1Hs 13:4


Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de teus amigos, nos olhos de tua amada... não me encontrarás em nenhum livro! Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais me dizer como fazer meu trabalho?

Ok, agora como se não houvesse mais nenhuma tentativa de camuflar a intenção destrutiva do texto, ele diz expressamente que devemos ignorar completamente a Bíblia em nossa caminhada rumo ao conhecimento divino.
Ao propor um absurdo desses, Spinoza praticamente aniquila qualquer base ou referência que alguém possa querer ter para buscar a Deus. Sem Bíblia, qual é a diferença então entre Jeová e Alá, Buda, ou Shiva? Zero.
Nesse trecho vemos que se trata de um panteísta convidando as pessoas a abandonarem sua fé e passarem a viver segundo sua própria consciência. Esse é o princípio do homem independente de Deus, que se orienta, se perdoa, se basta.
A ideologia que defende o homem como centro das coisas é o luciferianismo.
Acho que não é muito difícil entender do que se trata.

E agora como a Bíblia foi completamente aniquilada do contexto, não é possível sequer citar algum versículo.


Pára de ter tanto medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem te incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor. Pára de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz... Eu te enchi de paixões, limitações, prazeres, sentimentos, necessidades, incoerências e de livre-arbítrio. Como posso te culpar se respondes a algo que Eu pus em ti? Como posso te castigar por seres como és, se Eu sou quem te fez? Crês que Eu poderia criar um lugar para queimar a todos os meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso?

Agora nos é apresentado um Deus distante, ausente; que não se importa com as escolhas que alguém faz; que prega o amor puro e simples (e descontextualizado) como objetivo maior da vida.
É nesse ponto que as pessoas mais carentes, sofridas e ausentes de maior embasamento cristão se rendem à ideia do autor. É feito um convite para uma vida livre de qualquer consequência ou responsabilidade.
Afinal tudo vale em nome da felicidade e do amor. O mais agressivo de todo esse contexto é incitar a ideia de que toda sorte de sentimento, necessidade e vontade que se manifestam nas pessoas veio diretamente de Deus;
como se Ele respaldasse e reforçasse qualquer tipo de objetivo ou ação, uma vez que se a pessoa sentiu ou desejou algo, é obra de Deus, então aquilo é verdadeiro e deve ser buscado.
Seguindo essa lógica, qualquer atitude, por mais monstruosa e hedionda que seja, pode ser válida; afinal se pensamos ou queremos aquilo, foi obra de Deus, então é algo necessariamente bom.
No fim, acaba com a ideia de céu e inferno, como se as atitudes de casa um não tivessem uma implicação espiritual, devendo cada um viver segundo seus próprios valores e moral.
O relativismo é uma das formas mais usadas pelos marxistas culturais para quebrar a moral judaico-cristã, segundo o processo descrito no início do e-mail.
O contorcionismo lógico feito nesse texto pra justificar barbaridades em nome de Deus está chegando a níveis dantescos.
Ele novamente reforça a ideia de que não há pecado, não há juízo, não há necessidade de redenção. Então vivamos como bem entendermos, afinal foi Deus quem nos fez assim.


"E vi um grande trono branco e o que estava sentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu, e não se achou lugar para eles.
E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros. E abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.
E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.
E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.
E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo." Ap 20:11-15


Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti. A única coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida, que teu estado de alerta seja teu guia. Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único de que precisas. Eu te fiz absolutamente livre. Não há prêmios nem castigos. Não há pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro. Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.

Mais uma vez é martelada a ideia de que não há lei, não há mandamento; de que o senso comum é o bastante para orientar as atitudes e definir o certo e o errado. Relativismo novamente.
Em seguida são lançadas essas palavras aparentemente belas, mas que servem apenas como clichê e não tem valor objetivo algum. São apenas orientações subjetivas e vazias.
A moralidade cristã não é construída em cada cabeça; os homens não são Deus, não são criadores. Eles não tem dentro de si o logos divino, a consciência criadora.
Essa tentativa de tirar de Deus a prerrogativa da criação e entregá-la aos homens é um princípio gnóstico, que é um dos maiores inimigos do cristianismo ao longo da história.
E mais uma vez, é repetido o absurdo de que não há nada além da vida (afirmação ateísta), e que o aqui e agora é tudo o que há.
Me preocupa muito que algum cristão, por mais novo na fé que seja, leia uma disparidade dessas e aceite como verdade.

Os argumentos estão andando em círculos, portanto os versículos correspondentes já foram citados.

Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso te dar um conselho. Vive como se não o houvesse. Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. Assim, se não há nada, terás aproveitado da oportunidade que te dei. E se houver, tem certeza que Eu não te perguntarei se foste comportado ou não. Eu vou te perguntar é se tu gostaste, se te divertiste, do que mais gostaste, o que aprendeste.

Mais do mesmo: a vida terrena é tudo, não haverá céu ou inferno, não haverá julgamento; aproveite a vida como se não houvesse amanhã (carpe-diem); busque felicidades, sentimentos e sensações acima de todo o resto, etc, etc, etc.
É basicamente o antagonismo de toda a sequência lógica de ideias presentes na Bíblia e nas bases do cristianismo.


Pára de crer em mim - crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti. Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho no mar. Pára de me louvar! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja? Aborrece-me que me louvem. Cansa-me que me agradeçam. Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, de tua saúde, de tuas relações, de teus amores, do mundo. Tu te sentes maravilhado, surpreendido?... Então expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.

Nova distorção de premissas básicas cristãs, quais sejam o aperfeiçoamento da fé, a busca constante por desenvolvimento interior e intimidade com Deus, como se Ele se resumisse a palpitações e sentimentos individuais isolados.
Repetindo os clichês pseudo-bonitinhos de que Deus só existe em pequenas coisas e que a mera vida cotidiana é a expressão total da grandeza Dele. Supostos ideais de desapego material, valorização de pessoas e sentimentos,
mas servindo para mascarar o real propósito do texto que é substituir Deus pelo homem. Trocar a fé pela sensação e a busca de redenção por uma insignificante vida cotidiana.
Passa tentar minimizar a importância do louvor, como se ele fosse apenas uma vaidade divina; criado para alimentar o ego do Criador. Quanta besteira.
O louvor são os feitos de Deus EM SI, expressos por palavras de gratidão e glorificação. O louvor é fruto direto do Espírito Santo. Os vários salmos de Davi retraram essa realidade. O louvor é fruto natural de um relacionamento íntimo com Deus.
Quando louvamos estamos demonstrando nossa alegria por conhecer a Deus e receber Dele bênçãos e misericórdia todos os dias. É uma consequência natural de um relacionamento saudável e frutífero.
Dizer que isso é apenas uma questão de vaidade e egocentrismo é tão coerente quanto dizer que não devemos mais agradecer as pessoas por nada na vida, afinal isso é inútil e só serve para envaidecê-las.
A gratidão é um princípio espiritual básico para o bem estar interior; sela ela feita a pessoas ou diretamente a Deus.


"
E saiu do trono uma voz, dizendo: Louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes." Ap 19:5

"
Eu te louvarei, Senhor, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas. Em ti me alegrarei e exultarei; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo" Sl 9:1-2

"Por ele, pois, ofereçamos sempre a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome." Hs 13:15

"Tornaste o meu pranto em regozijo, tiraste o meu cilício, e me cingiste de alegria; para que a minha alma te cante louvores, e não se cale. Senhor, Deus meu, eu te louvarei para sempre. " Sl 30:11-12

"Dêem graças ao Senhor pela sua benignidade, e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens! Pois ele satisfaz a alma sedenta, e enche de bens a alma faminta. " Sl 107:8-9

"...ainda de riso te encherá a boca, e os teus lábios de louvor." Jo 8:21



Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim. A única certeza é que tu estás aqui, que estás vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas. Para que precisas de mais milagres? Para que tantas explicações? Não me procures fora! Não me acharás. Procura-me dentro... aí é que estou, batendo em ti.


O mundo está cheio de maravilhas?

"Sabemos que somos de Deus e que todo o mundo jaz no maligno." 1Jo 5:19

"Não ameis o mundo nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.
Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo." 1Jo 2:15-17

"E não vos conformeis com esse mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." Rm 12:2

Em seguida outra tentativa desesperada de diminuir a importância da Palavra, das pregações, cultos, missas e tudo o que propaga a fé cristã e a reforça.
E uma agulhada final, dizendo que Deus não pode ser encontrado em nada, só dentro de cada um. Mas como é possível encontrarmos Deus em nós, se estivermos cheios de vícios, maldade, pecados inconfessos e recorrentes dentro de nós?
Onde há trevas não há luz; isso é uma coisa óbvia. Deus não entra no coração ou na vida de quem não O convida.


"Não vos prendai a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?" 2Co 6:14

"Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo." Ap 3:20



Conclusão:

Trata-se de um texto feito por um homem que não acreditava na Palavra de Deus, e nem em Deus em si; pois ele O relativiza tanto que qualquer divindade ou religião poderia caber nessa definição. É uma tentativa clara de subversão de toda a base do cristianismo e um convite ao secularismo e a todo tipo de estilo de vida voltado para o homem apenas. Para uma vida cheia de prazeres e sentimentos; tudo o que Deus nos alerta para evitarmos, uma vez que devemos buscar as coisas do espírito, do alto, e não da terra e da carne.
Me parece mais um texto feito por um ateu, panteísta conivicto ou satanista para afastar as pessoas da verdadeira fé e busca cristãs; mergulhando-as num vazio existencial e sem precedentes.
Mas pela forma franca e direta com que esse convite é feito, sinto-me até aliviado, pois só acredita em tanta distorção junta, quem já não tinha a menor intenção de buscar a Deus sinceramente desde o começo. Quero dizer, não há problema algum em não crer em Deus ou em não querer seguir o Cristianismo. Mas se for o fazer, faça direito, com o coração aberto e com sinceridade e honestidade; em primeiro lugar consigo; sem querer mudar a Deus ou adaptá-lo à própria conveniência e comodidade. Deus é coisa séria, não mais uma sensação ou prazer momentâneo para aliviar consciências da Verdade e do Juízo.





"O servo inútil, lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes." Mt 25:30

16 comentários:

Anônimo disse...

Excelente resposta!
Este deus expressado por Spinoza Baruch não seria o mesmo deus da Nova Era?
Imagina só "quem" estava inspirando Baruch a escrever este texto...

Anônimo disse...

Bom cada um tem sabe no que acreditar, eu adorei o texto do espinosa (sendo dele originalmente ou não) ... acredito que o ser humano que ler isso e tiver a devida desenvoltura pra entender as palavras conseguirá absorver tudo que ele disse e tirar tantas coisas da mente coletiva, que servem realmente como 'freios' para alguns ... sem querer ofender as tuas crenças.

de qualquer forma Parabens por defender o que acredita e procure sempre a tua verdade ...

depaula disse...

Tenho a impressão que o texto não é de Spinoza. Mas, gostei do texto, devo admitir. Apenas não se parece com a idéias de Deus professadas por Spinoza em outros textos que já li e que são comprovadamente dele. Se alguém souber quem é o verdadeiro autor poderia revelar, por favor?

Bárbara Ferreira disse...

Sua opinião é essa porque você, como quase toda a sociedade, foi manipulado desde a infância quando lhe foi dito no que acreditar ou não , eu particularmente apesar de ter crescido com a influencia da igreja católica , inclusive estudei em um colégio de freiras , apesar de acreditar em Deus não acredito nem sigo os ideais da igreja . isso porque acredito que todas as igrejas usam da manipulação para controlar a sociedade .E para dizer isso estudei a historia e o desenvolvimento da religião católica . se você acredita é uma opinião sua e eu como todos os outros sou obrigada a respeitar , mas também você é obrigado a respeitar a minha. Acredito que de nada adianta as pessoas irem na igreja regularmente e darem um dizimo e não serem capazes de ajudar aqueles que os rodeiam , acredito que apenas entregar dinheiro pra igreja e ficar com a consciência limpa de nada adianta se você não procura saber para que esse dinheiro foi utilizado.Se as pessoas como diz no texto , procurassem ser felizes ao invez de ficar suplicando a Deus para lhes dar felicidade ,se nao fizessem ao outro o que nao queriam que lhes fosse feito ,e se buscassem seu proprio destino ao invez de esperar que Deus o trouxesse , teriamos um mundo bem melhor. a igreja nos manipula , nos faz agir da maneira que lhe for melhor e a historia da igreja pode dizer isso . ENTÃO AO INVEZ DE FICAR CRITICANDO AQUELES QUE NÃO ACREDITAM NAS MESMAS CONVICÇÕES QUE AS SUAS , VOCÊ DEVERIA PESQUISAR A ORIGEM DE TUDO O QUE LHE FOI ENSINADO, AO INVEZ DE SE CONFORMAR COM O Q LHE FOI ENSINADO VOCÊ DEVERIA QUESTIONAR O PORQUE . NÃO CRITICO A SUA CRENÇA SÓ CRITICO O MODO COMO AS PESSOAS SE DEIXAM LEVAR PELAS MANIPULAÇÕES DA IGREJA SEM QUESTIONAR O PORQUE.

Anônimo disse...

Em 1921, em nova york, perguntaram a ninguém menos que ALBERT EINSTEIN se ele acreditava em DEUS, e ele respondeu que acreditavam sim no DEUS de SPINOZA,
Agora, eu me pergunto?
EINSTEIN todo mundo sabe quem é, e orquestra foi...
E vc??? Quem e vc???
Vais por acaso fazer algo mais genial e maior do que EINSTEIN???
Vai reinventar a física quântica, a teoria geral da relatividade, redescrever a forma corpuscular dos fotôns...
Me poupe de sua analise medíocre,
Mísero comedirdes feijão ...

Anônimo disse...

Quis dizer:

MÍSERO COMEDOR DE FEIJÃO...

Kkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

O texto, sendo ou não de Spinoza,(e parece que não é) pra mim é perfeito. Cada frase, cada palavra.

Em todo momento o texto nos faz refletir nosso comportamento em relação à vida, sempre tentando nos guiar pelo caminho do BEM, da MORAL, da ÉTICA, ou seja, nos tornando verdadeiros BONS SAMARITANOS. Me explica o que está errado nisso? Eu não consigo enxergar e tu não deverias também.

Abre a cabeça. Aproveita o conhecimento que tu adquiriu ao longo da tua vida e busca novas verdades, ti liberta dessa tua fé cega no sobrenatural. Tenha fé nas pessoas e na vida. Deus é a natureza.

Anônimo disse...

É verdade...
Se até o maior gênio de toda a história ( EINSTEIN ) rejeitou a idéia de um Deus velhinho, barbudo assentado em um trono e separando os "eleitos", como se separam bois, e aceitou a idéia de um DEUS maior, que não esta preocupado com o sucesso financeiro de ninguém, então me questiono???
Que fez de mais genial o Blogueiro para questionar SPINOZA e EINSTEIN, em matérias de filosofia e metafísica...
!!!!!!!!!!!!!!!
Mísero comedor de feijão...
Mísero escravo de dogmas religiosos, que a religião lhe impõem, e os domina nas rédeas do medo, sob a ardilosa proposta de serem salvos...
Mude o tema do blog, vá comentar futebol ou outra coisa medíocre que talvez vc entenda... Seu..
MÍSERO COMEDOR DE FEIJÃO...
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

schwab disse...

Quanta besteira!

schwab disse...

Que besteira!

Simone Molinari disse...

Boa tarde, suas explicações foram perfeitas. Como seria bom se pudéssemos viver da maneira que o texto propõe. Todas as pessoas que tem algum senso crítico sabem que as leis existem a começar pelas leis naturais, e que sem elas a vida na Terra não seria possível. Você foi muito lúcido e ponderado em tudo que nos explicou. Parabéns!!!

Domingos Neto disse...

Muito ruim tua análise, hein. Aliás, se tem uma coisa que não tem aí, é análise. Sem rigor lógico. Você não refutou Espinoza, simplesmente apresentou ideias contrárias em relação a Espinoza. Lhe aconselho uma coisa: Va ler e entender aquilo que você esta analisando.

Anônimo disse...

Obrigado por ter feito esta análise.
Que Deus continue te abençoando com sabedoria e discernimento.

Persio Milani disse...

Sinto-me profundamente entristecido com alguns comentários depreciativos dirigidos ao dono deste blogue. E mais triste ainda pelos que se declararam favoráveis às idéias de Spinosa. Aos que dizem ter estudado a história da igreja, sugiro que estudem a vida dos santos. Se essas vidas foram uma forma de manipular o povo, então eu quero ser manipulado. Aos que contrapõem a opinião de Einstein à do dono do blogue eu proponho contrapor os ensinamentos de santa madre Teresa aos pensamentos de Einstein. Tenho certeza que nossa sociedade é bastante avançada tecnologicamente, mas em questões sociais ainda somos muito neandertais. Eu aprecio a contribuição de Einstein na física, mas isto não o torna referência para todas as outras áreas do conhecimento humano. Certamente tem muita gente que cozinha melhor que ele.

Persio Milani disse...

Sinto-me profundamente entristecido com alguns comentários depreciativos dirigidos ao dono deste blogue. E mais triste ainda pelos que se declararam favoráveis às idéias de Spinosa. Aos que dizem ter estudado a história da igreja, sugiro que estudem a vida dos santos. Se essas vidas foram uma forma de manipular o povo, então eu quero ser manipulado. Aos que contrapõem a opinião de Einstein à do dono do blogue eu proponho contrapor os ensinamentos de santa madre Teresa aos pensamentos de Einstein. Tenho certeza que nossa sociedade é bastante avançada tecnologicamente, mas em questões sociais ainda somos muito neandertais. Eu aprecio a contribuição de Einstein na física, mas isto não o torna referência para todas as outras áreas do conhecimento humano. Certamente tem muita gente que cozinha melhor que ele.

Anamaria disse...

Excelente texto fazendo contraponto aos enganos de Spinoza.
Qualquer pessoa, que conheça minimamente a Bíblia, vê a tentativa de tirar Deus da jogada.
As digitais estão todas lá! Só falta a assinatura "Satanás"